Green Flip Flops – 100% recicláveis

Um dos aspectos mais importantes do PVC está na origem de suas principais matérias primas e insumos, o Cloro, o Eteno e a Água. É o único material plástico que não é 100 % originário do petróleo, contém em peso 57 % de Cloro, obtido do sal marinho - um recurso renovável da natureza , e 43 % de Eteno, obtido do petróleo ou do álcool, onde o Brasil possui tecnologia para sua obtenção a partir da cana de açúcar, também um recurso renovável.

O PVC é o plástico com menor presença em peso no lixo urbano, com 0,7 %, onde o Cloro presente na molécula do PVC atua como um identificador , permitindo sua separação de outros polímeros , o que facilita o processo de seleção para reciclagem. Materiais fora de especificação ou com defeito e descartes produzidos em partidas de máquinas são moídos e incorporados novamente ao processo produtivo. Esta reincorporação dos resíduos em produtos com características de desempenho essencialmente idênticas às daqueles artefatos fabricados apenas com a resina virgem.

Informações sobre composição química de produto

  • Material - 14660 e natural FF / ou cores
  • Descrição – composto de pvc expandido flexível
  • Aplicação - moldagem por injeção
  • Composição Quimíca
Resina de PVC suspensão K 65 ................................................. 51,0%
Plastificantes de origem vegetal sustentável .............................. 44,0%
Estabilizante de sais de cálcio e zinco ....................................... QSP
Lubrificacante ácido esteárico .................................................... QSP
Agente Expansor Microcelular ................................................... QSP

Produto Isento de Ftalatos
Produto Isento de Metais Pesados
Produto 100% Reciclável

General Information – Chemical Composition

  • Material - 14660 e natural FF / ou cores
  • Description – flexible foaming PVC compound
  • Aplication - injection moulding
  • Chemical Composition
Suspension PVC Resin k 65 ............................................................................ 51,0%
Vegetable plasticizers – Susteinable Source ................................................... 44,0%
Calcium Zinc Stabiliser .................................................................................... QSP
Stearic Acid ..................................................................................................... QSP
Foaming Agent ................................................................................................ QSP

Phthalater Free Material
Heavy Metals Material
100% Recyclable


Plastificantes vegetais biodegradáveis, inovação Green Flip Flops

A crescente demanda por matérias primas ecologicamente corretas direcionou as pesquisas da Caravana Holiday para o estudo de alternativas para plastificantes primários, com interesse especial em matérias primas renováveis. Essa busca pela inovação, associada com a valorização dos princípios da sustentabilidade, culminou na linha de sandálias Green Flip Flops utilizando plastificantes 100 % renováveis e com alto percentual de biodegradabilidade, preparados a partir de óleos vegetais.

A origem dos plastificante vegetais

O uso de óleos vegetais epoxidados e ésteres derivados destes óleos como plastificantes para PVC foi desenvolvido durante as décadas de 1940 e 1950, inicialmente por pesquisadores do Departamento de Agricultura dos EUA (USDA). Apesar ter sido demonstrada a viabilidade técnica de produtos baseados em matérias primas renováveis, o uso destes plastificantes esbarrou em alguns empecilhos. A grande disponibilidade de matéria prima fóssil, além de aspectos como custo, escala de produção e performance adequada, fizeram prevalecer nas décadas seguintes os plastificantes petroquímicos, em especial os ftalatos e adipatos.

No início do século XXI, os constantes aumentos no preço do petróleo e a necessidade de alternativas aos produtos convencionais, fez ressurgir o interesse por plastificantes bioderivados, como ésteres graxos epoxidados, glicerídeos acetilados/epoxidados, entre outros, obtidos a partir de óleos vegetais atualmente usados nas sandálias Green Flip Flops.


Phthalates Free”

Ftalatos são uma classe de substâncias comumente utilizados em produtos de consumo e plastificante oriundos do petróleo. Os ftalatos causam uma larga série de problemas adversos à saúde, incluindo danos ao fígado, aos rins e ao pulmão bem como anormalidades no sistema reprodutivo e o desenvolvimento sexual. Os ftalatos são classificados como “prováveis carcinogênicos humanos”.

P. O que são os ftalatos e como eles são utilizados ?
R. O ftalato é uma classe de substâncias químicas agregadas a uma série de produtos comuns de consumo. Em 1994, perto de 87% de todo o ftalato produzido nos USA foi utilizado como aditivo, na forma de plastificantes ou como agentes amaciadores de produtos de vinil ou PVC. Plastificantes são materiais viscosos como melado que saturam a matriz tridinensional da resina plástica, como uma esponja rija. Ela torna-se flexível mas com o tempo estes materiais viscosos, os aditivos, gradualmente vão saindo, fazendo a esponja ficar novamente ressequida. Os produtos de consumo de PVC, ou vinil, amaciados podem conter mais de 40% de seu peso em ftalato. A sociedade está largamente exposta aos ftalatos porque o PVC é um plástico amplamente disseminado na fabricação de acessórios domésticos (por exemplo, piso, papel de parede e outros), utensílios médicos (como cateteres, bolsas de sangue e soro), itens infantis (mamadeiras, brinquedos para apertar, colchonetes para troca de fraldas, mordedores) e para embalagens (filme transparente, garrafas descartáveis).

P. Sabemos se o ftalato está presente em nossos corpos ? Como foram absorvidos ?
R. Uma pesquisa feita pelos Centers for Disease Control (nt.: CDC)/Centros de Controle de Doenças dos USA) confirmou, em 2001, a presença de ftalatos nos organismos humanos.
Comer, respirar, contactar pela pele e mesmo pela transfusão de sangue, todas são vias, isolada ou conjuntamente, de acesso de ftalatos a nossos organismos. De acordo com a U.S. Environmental Protection Agency (nt.: EPA/Agência de Proteção Ambiental dos USA) comer seja provavelmente a rota principal para que os humanos sejam contaminados com dietilhexil ftalato (DEHP), o ftalato mais empregado como plastificante. O DEHP migra para os alimentos dos filmes transparentes durante o armazenamento. Similarmente, também somos contaminados com outros ftalatos comumente utilizados como diisononil ftalato (DINP).
Provavelmente as crianças têm índices mais elevados do que a maioria, em razão de que seus brinquedos de levar à boca sejam feitos com maiores quantidades de ftalatos em PVC mais amaciados (como os mordedores). Por exemplo, os níveis mais altos de DINP liberados dos mordedores e outros brinquedos, excedem à dose diária aceitável de acordo com pesquisas, conduzidas na Holanda e Dinamarca, onde se simulava o comportamento de morder feito pelas crianças. Além disso, a pesquisa holandesa confirmou o que a maioria de nós tem observado de que as crianças chupam ou mordem seus dedos e outras coisas que não são feitos para irem aos seus lábios mais do que os mordedores. Este instinto de morder sem dúvida agrega-se a esta sua dose elevada de ftalatos.
A transfusão de sangue é outra via de acesso de ftalato ao corpo humano. Fazem seu caminho dos utensílios médicos feitos de PVC para as soluções e daí para o corpo dos pacientes. Pessoas que estão enfermas, especialmente crianças cujo organismo ainda está em desenvolvimento, podem ser particularmente sensíveis a este tipo de exposição. Em setembro de 2001, a U.S. Food and Drugs Administration (nt.: FDA/Adminstração de Alimentos e Fármacos dos USA) advertiu de que alguns dos utensílios médicos feitos com PVC poderiam estar expondo certos pacientes a quantidades danosas do ftalato DEHP. Mais tarde, a American Medical Association (nt.: AMA/Associação Médica Norte-americana) externou sua preocupação quanto aos utensílios médicos feitos com DEHP. Já o Health Canadá Advisory Panel (nt.: Conselho Consultivo de Saúde do Canadá) da mesma forma recomendou que o sistema de tratamento de saúde não utilize produtos médicos que contenham DEHP em certos grupos de pacientes, incluindo crianças e meninos antes da puberdade. Preocupação de fato foi realçada pelo National Toixicolgy Program (nt.: NTP/Programa Federal de Toxicologia) de que o trato genital masculino humano em desenvolvimento, ainda imaturo, pode ser afetado negativamente por altos níveis de DEHP.
Respirando o ar e a poeira que contenham ftalatos que volatilizaram dos pisos de PVC também se agregam aos volumes de ftalatos em nossos organismos. De novo isto é particularmente perturbador para as crianças já que elas passam longo tempo no interior das casas e respirando próximo ao piso. De fato, um estudo inicial conduzido na Noruega relatou uma alta incidência de obstrução dos brônquios em crianças que residem em casas com pisos de PVC ao contrário daquelas que vivem onde o piso é de madeira. Ftalatos sendo liberados na atmosfera pode ser a conexão entre estas duas observações.
O contato pela pele pode ser a mais importante rota de ingestão de ftalatos originários de produtos de cuidados pessoais como o sabonete. Numa pesquisa feita pelo CDC sobre ftalatos, o metabólito do dietil ftalato (DEP) foi detectado em altíssimos níveis na população testada. O DEP é utilizado em numerosos produtos perfumados como sabonetes, loções e perfumes. Está também presente em produtos plásticos como escovas de dente, brinquedos infantis e para embalar alimentos.

P. Como o ftalato afeta nossa saúde ?
R. Recentemente o NTP manifestou sua preocupação sobre o desenvolvimento irregular de nenês nascidos de mulheres que durante a gravidez tiveram contato com os níveis normais considerados para um adulto. Expressaram sua preocupação de que os meninos e os nenês do sexo masculino que substancialmente excedem a dose de DEHP estimada para adultos, podem apresentam problemas no desenvolvimento de seus sistemas reprodutivos.
O DEHP foi classificado pela EPA como um provável carcinogênico humano. O Department of Health and Services (nt.: Departamento de Saúde e Serviços Humanos) também classificou o DEHP como cancerígeno potencial. Isto quer dizer que o DEHP é sem dúvida uma substância que gera câncer em humanos. Ratos e camundongos alimentados com DEHP e DINP também mostraram um incremento de cânceres de fígado em comparação com animais que não foram alimentados com estas substâncias.
As proles de ratas separadamente alimentadas com diferentes ftalatos, chamados dietil hexil-, diisononil- e butil benzil ftalato (DEHP, DINP e BBP, respectivamente) não seguiram os processos normais de desenvolvimento sexual. Nos casos das que foram alimentadas com DEHP e BBP também o peso das proles foi reduzido. Outras pesquisas detectaram nos testículos de jovens ratos machos outros efeitos sutis em baixas doses de DEHP.
Altas doses de dietil ftalato (DEP) fornecido a ratas prenhes mostraram que causam o aparecimento de uma costela extra nas suas proles. Adicionalmente as fêmeas expostas ao DEP durante toda sua vida experimentaram um elevado número de nascimento de fetos mortos. De acordo com um relatório, de 1996, da Agency for Toxic Substances and Disease Registry (nt.: ATSDR/Agência sobre Substâncias Tóxicas e Registro de Enfermidades): “Não há informações disponíveis indicando possíveis efeitos causados pelo dietil ftalato caso se respire, coma, beba, e mesmo que esta substância toque na pele”.Esta é uma declaração problemática em razão da diversidade de produtos de consumo nos quais o DEP é adicionado. Além disto, realça as regulamentações inadequadas para substâncias químicas comerciais largamente utilizadas.

P. Como é que o governo regulamenta os ftalatos ?
R. Em 1999, prontamente face as potenciais quantidades de perigosas doses de ftalato ingeridas pelos nenês e os sérios e negativos efeitos sobre a saúde detectados em animais pesquisados, a União Européia emitiu um banimento emergencial do emprego de certos ftalatos em brinquedos feitos para crianças com menos de 03 (três) anos de idade. Recentemente foi novamente renovado. Nos USA, em 1986, a Consumer Product Safety Comission/CPSC (nt.:Comissão de Consumo de Produtos Seguros) e o Toy Manufactures of América/TMA (nt.: Fabricantes de Brinquedos da América) acordam por um limite voluntário em 3% de DEHP para chupetas e mordedores. Mais tarde, em 1998, a CSPC questionou os produtores de brinquedos para retirarem dos mercados, os mordedores e os chocalhos de PVC que contenham DINP. Entretanto, tais acordos voluntários não eliminam a utilização e a exposição pelas crianças a aditivos perigosos não testados. Paralelamente, os adultos estão também expostos a químicos potencialmente perigosos pelo uso de um sem número de produtos que contém ftalatos.
Regulamentações também estão sendo feitas para ftalato para embalagens plásticas que entram em contato com o alimento tanto durante seu processamento, transporte e armazenamento. A Food and Drug Administration/FDA (nt.: Administração de Alimentos e Fármacos) dos USA definiu que butil benzil ftalato (BBP) e diisononil ftalato (DINP) “podem ser utilizados seguramente” em níveis de 01% e 43%, respectivamente. Inspeções mais acuradas, entretanto, revelam que estas cláusulas estão muito próximas de serem quebradas. Por exemplo, as normas definem que os plásticos podem ser utilizados “em temperaturas que não excedam a temperatura ambiente”. Isto implica que aquecer alimentos embalados em plásticos em microondas poderá ser considerado insalubre. E esta é uma prática do dia-a-dia nos USA.

Nota : Especialistas em saúde ambiental recomendam que um caminho para evitar a exposição aos ftalatos é eliminar o aquecimento de alimentos embalados em plásticos no microondas se não se tem a certeza de que aquele plástico não é feito de PVC.

P. Quem está trabalhando para eliminar os ftalatos e como se participa ?
R. Para saber como se pode eliminar a exposição aos ftalatos e outras substâncias químicas perigosas agregadas ao PVC, visite os websites das organizações listadas abaixo. Não só poderá aprender mais sobre o ciclo-de-vida completo do vinil (nt.: PVC – polivinil cloreto) como também agregar-se a campanhas de consumidores, somando seus brado ao coro de pessoas que clamam pela eliminação dos danos gerados por essa resina plástica.

Organizações.
http://www.chemicalbodyburden.org/cs_phthalate.htm

Ftalatos em cosméticos:
Coming Clean, www.comeclean.org

Ftalatos em utensílios médicos:
Health Care Without Harm, www.noharm.org

Ftalatos em esmalte de unhas:
Environmental Working Harm, www.ewg.org

Ftalatos em brinquedos:
Greenpeace, www.greenpeace.org

Websites.
Para mais informações sobre o ftalato, ver:
O site www.ourstolenfuture.com

Para maiores informações sobre os efeitos sobre a saúde gerados pela ftalato e a evidência dos limites orgânicos, ver:
Relatório recente sobre os ftalatos no site “health care without harm” e o relatório sobre o monitoramento do limite orgânico feito pelo US CDC (Centro de Controle sobre Doenças dos USA) no site www.cdc.gov/nceh/dls/report/

Para maiores informações sobre cosméticos, ir para:
Recente relatório sobre “phthalates in cosmetics” e o site www.ewg.org/pub/home/reports/beautysecrets/chap3.h...

Para mais informações sobre ftalatos em utensílios médicos, ir para:
www.noharm.org/library/docs/Use_Di-2-Ethylhexil_Ph... e www.noharm.org/library/docs/Going_Green_3-6_DEHP_E...

Para maiores informações sobre o ftalato em brinquedos e acessórios domésticos de PVC, ir para:
www.greenpeaceusa.org/toxics/vinylhouse.htm
www.myhouseisyourhouse.org
www.greenpeaceusa.org/toxics/vinylhouse/vinylhouse...
www.greenpeaceusa.org/media/publications/vinyltoys...
Produzido pelo site www.chemicalbodyburden.org/cs_phthalate.htm